quinta-feira, 9 de julho de 2009

E ela é dessas



Nem sempre lúcida, às vezes plácida
Totalmente pálida

E ela é doce.

Tem dias que brilha, em outros se apaga
Vestindo transparência
Fosse pra onde fosse

E ela é linda.

Olhar marcante, meios sorrisos
Gestos rápidos e objetivos
Tem a voz rouca,
Ideal para seus gemidos
Frívola

E ela é louca.

Sai sem destino, não dá notícia
Seus horários são distorcidos
Ela não sonha
Virando noite, dorme de dia
Suas palavras não tem sentido

E ela é forte.

Conta mentiras, ri muito alto
Brinca com a morte
Só sai de casa se for de salto
Não sente medo
Tem muita sorte

E ela é esperta.

Mesa de bar é seu ambiente
Desapegada, está sempre certa
Ela é direta
Muito sagaz e inteligente
Está sempre alerta

E ela é querida

Não telefona, não faz promessas
Não tem pudor
É atrevida
E é tão livre e independente
Indiferente

E ela é dessas.

Ela é da vida.


Milla Borges