quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Baseado em fatos reais

Sonhadores!
Volteiiii!
A vida me levou por caminhos tão diferentes e eu sempre resistente às mudanças, não consegui dar conta de tudo aquilo que me faz bem. Fraqueza? Não... É só a minha eterna briga com o tempo... Essa norma que me aprisiona...
24 horas nunca são suficientes...
Mas o importante é que eu VOLTEI!!!! E tava com saudades mesmo dessa minha fábrica e dos meus sonhadores... Êêêê coisa boa!!!! E aos poucos vou visitar os blogs amigos, sempre comigo.... Minha força vem de vocês. Depois de mim...
Que vocês saibam disso!
Estou retomando um sonho antigo e isso tem tomado todo o meu (pouco) tempo!
Mas a felicidade está comigo e isso para mim, é o que verdadeiramente importa!

Sem mais delongas, texto para quem gosta:

Baseado em fatos reais

Cada passo dado em frente, deixava marcado no chão uma mancha com formato de pétala.
E foi assim que ela seguiu.
Despedaçou pelo caminho muitas flores, por inveja e foi castigada com a dureza das pedras.
E foi assim que ela caiu.
No chão, rolou na lama, de pirraça e perdeu as unhas cravadas ao solo para que tivessem dó.
E foi assim que ela sofreu.
Bebeu as próprias lágrimas, de sede e de vontade de berrar, mas se calou e sem apoios se pôs de pé.
E só então se reergueu.
Cada passo dado em frente não deixava marcas, que o vento apagava e o vento a empurrava diante de um espelho.
E foi assim que ela se viu.
Desgrenhada e insolente de olhos inchados e nariz vermelho, de bochechas debochadas que ardiam e eram tristes.
E só então ela sorriu.
Deu as costas para o mundo de conceitos e formatos, abrindo a porta da saída de emergência, para a fuga perfeita.
E foi assim que ela correu.
Dessa vez com o vento contra, lado a lado com a sombra solitária que fazia companhia, viva e irresponsável.
E foi assim que ela sentiu
Cada passo dado em frente, marcava uma etapa e marcava a memória, sendo forte e corajosa para despir-se de si mesma.
E só então ela cresceu
Recolheu as dores do que foi, e se havia sido serviu, transpirando a inquietação de uma descoberta simples que aceitou.
E foi assim que ela morreu
Recriou sua caminhada de tropeços e quedas, de alegrias profanadas sem abandonar todo caos e leveza que nela se instalou.
E só então se permitiu
Cada passo dado em frente era seguro e consciente do objetivo que escolheu, sem segurança ou consciência, que arriscou, acreditou.
E ela enfim renasceu.


Milla Borges