segunda-feira, 22 de março de 2010

Alienatio Mentis - Novo Blog!

Amigos sonhadores!

Como eu havia dito anteriormente, eis que chegou minha nova fase, um novo ciclo...
Algo em mim se inquieta e as perguntas nunca borbulharam tanto em minha cabeça, os sentimentos nunca foram tão arrebatadores, os sentidos tão aguçados e as palavras tão importantes e urgentes como agora...
Quanto às respostas, não me preocupo com elas por hora... Quero apenas as questões.
E para isso, apresento meu novo blog: Alienatio Mentis.

www.millaborges.com/blog

Neste meu novo espaço, me sinto mais a vontade para falar tudo aquilo que na verdade tenho necessidade de expor.
Tenho obrigação para comigo de não sufocar meus pensamentos dentro de mim...
E claro, conto com as mentes de vocês, sendo complemento da minha...

No novo blog, criei um espaço para as mentes convidadas e amigas. Sempre terá um texto de um de vocês. Portanto, quem quiser participar dessa experiência, me avise, sim? Venham tomar do meu chá!

Criei ainda, no blog, uma página para escrever aquilo que ouço por aí...
Eu presto muita atenção no discurso alheio... Tenho essa mania.
Gosto de ouvir as conversas nas ruas, de observar o outro, de perceber as suas idéias...
Então, postarei também as sabedorias populares, os diálogos, coisas engraçadas... Tudo que o cotidiano me fornecer como texto!

É isso pessoal! Estou empolgada e com a minha máquina a todo vapor!
A Fábrica continua por aqui fabricando sonhos... Lá, eu fabricarei dúvidas!

Venham comigo!
Conto com vocês!

Beijos!


Milla Borges


quarta-feira, 17 de março de 2010

Chuva e Ciclo




Está chovendo.
Uma chuva intensa e espessa que pede licença aos céus para se derramar sobre a terra dos homens.
Eu a observo e a sinto tão gelada e forte.
Uma força que me toca e se conecta a mim através dos meus sentidos.
Água que é nuvem. Nuvem que é leve.
Eu sou essa chuva. E cada gota dessa água.
Sendo metamorfose e renovação do estado físico e da essência, num constante desaguar de si mesma.
E depois...
Cansada de escorrer pelas ruas, pelas palavras, pelas paredes e pelos sentimentos, ser capaz de evaporar, subir aos céus e tornar a ser nuvem. Ser leve.
Envolvida e feita de leveza, flutuar livre, até que o peso natural, das coisas naturais dessa vida, me obrigue a desaguar... A desabar novamente.
Ainda está chovendo...
Este é o ciclo da chuva. O que há de mais natural nesse mundo, diante dos meus olhos.
É também o meu ciclo de leveza, densidade, renovação...
E hoje, eu só quero chover...

Milla Borges

sábado, 6 de março de 2010

Provocação



Brincando com as palavras, com os conceitos... Sem misturar a palavra e o sentido.
A verdade é que sempre conto uma história, por trás de uma outra história.

Texto sobre uma experiência...

"No lugar do verbo, eu fiz silêncio.
Não uni as orações com advérbios.
Excluí as vírgulas e fui apenas reticente...
Uma provocação dialética.
Para os olhos distraídos e para as mentes cansadas, eram apenas e tão somente palavras...
E, sim... Usei de ironia...
Descrevi o “nada”, o “sem importância” da maneira mais bonita.
E houve o aplauso.
Mas, que fique claro, eu nada quis dizer.
Eram só palavras...
Organizadas e belas.
E olha só que coisa interessante:
Para quem viu além das letras, a comunicação se estabeleceu.
Há aqueles que leem com os olhos, mas há os que leem com a alma.
Para estes, surgiram vírgulas, pontos, pausas e advérbios e...
E assim nas entrelinhas contei uma história.
Quem imaginou, criou por si e me deu os créditos.
Mas na verdade a história é sempre do ouvinte ou do leitor...
Então entendi que a palavra não dá conta do intelecto...

Quanta ironia!!!

Foi só uma provocação dialética."

Milla Borges.


www.twitter.com/millaborges