terça-feira, 7 de setembro de 2010

Sui Generis


Rosto angular
Sorriso largo, eu e meus olhos.

Rateio de almas, metade/metade

Estou cheia de fatos. Estou farta.
Procuro uma ação que me falta...
Um entendimento que me preencha.
Qualquer coisa que faça sentido...
O não sentido me desnorteia... Não tem limitações.
Tudo o que vivo é algo solto no mundo...
E o que se solta, se perde...
Eu presa me perco, livre me acho.
Num lugar que nunca estive.

Quantas de mim há no mundo?
A pausa.

Há a pausa.

Não sou o que segue. Sou o que fica.
Imersa em alienações da mente.
Sugando o gás carbônico.
Fazendo fotossíntese de mim mesma.
E eu que me alimento de mim...
Me invento?
A cada instante, almas em um só corpo.
Pensamentos em uma só cabeça.
Um ponto, uma vírgula.
Eu: Ponto e vírgula.
Pausas para respirar. Inspirar para dividir o tempo.
Divisão de opostos. Metade/Metade.


Tenho os dois pólos.
Positivo e negativo.

Uma carga magnética. Poder gravitacional.

Atraio. Energia vital. Elétrica.
Na calma estranho o tempo e mostro os dentes.
Nem para sorrir, nem para rosnar.
Embora meus instintos sejam primitivos e animais...
Tem a arte correndo em minhas veias.
Sou a inspiração da Monalisa.
Da Vincci já me conhecia muito bem...
Rateio de almas.
Metade era eu, a outra era ele.
Não sou um rascunho e nem obra prima.
Sou apenas a pulsão artística em sua essência.
Que fique claro: Sem nenhuma técnica.

In vino veritas
Uma grande mentira

Um gole de sinceridade, sim?
(A arte que é cópia e ilusão)
(A arte é a minha verdade)
(Minha vida, uma mentira)

Arrasto-me da realidade para fora da vida.
A velocidade do vento é o meu transporte.
Para que o real, se nada é, de fato?
A verdade se encontra na desordem das coisas...
O que se desmonta traz consigo a verdade dos pedaços...
Cada pedaço das coisas é uma coisa em si...
Cada coisa em si, quando se junta, forma a ilusão.
Eu sou parte da ilusão. Metade/Metade.
Formando um todo verdadeiro.

Nas letras, me encontro.
Palavras e fragmentos

O pingo do “I” me agrada.
- Nas letras a origem.
Sons, rabiscos, gestos
Tudo é intuitivo. O Intuito é a comunicação.

Eu nasci de um alfabeto.
Nomeio coisas sem nomes, por divertimento.
Não há o que exista sem palavras.
Cada nome é um conceito. Uma identidade.
Meus conceitos me refletem... E eu sou um nome.
Nome não tem documentos. Alguém me identifica?
Nada me conceitua...
Cada letra é uma arma mortífera.
Cada som de cada letra... Um código.
E qual o sinônimo da vida? (sentiu a pressão das palavras?)
Dangerous!!!!
Eu sou o antônimo de.
Eu sou a sílaba tônica do mundo.
(Ando nas extremidades, sempre na ponta dos pés)
Rateio de almas, metades e partes.
Silaba a silaba eu conto a minha história.

Não há igual a mim.
Nem igual a você.
Mas esse mundo de meu Deus é tão grande...

Unicamente.
Única mente. A minha.

Rateio de almas/ Metades dos corpos
Cabeças inteiras se partem...

Somos feitos a mão.
Cada um é um só.
E afinal? Quem sou eu?
Sou uma digital.
Mas sou uma digital única.
Pessoal e intransferível.
O meu jeito, o meu sorriso, as minhas palavras...
Podem até imitar... Porém nunca vão se igualar.
Uns dizem: É diferente!
Outros bradam: É louca!
Sou tudo isso, de maneira peculiar.
Sou nada disso, de maneira previsível.
A surpresa da unidade e da não apreensão do futuro.
É o que me constitui em cabeça, tronco e membros.
Membros fortes, cabeça muitas vezes fraca, fraca...
A força é toda do pensamento.
(Se for pra gritar, eu grito.)
(Se for pra chorar, eu choro.)
(Na hora de silenciar, me calo.)
Única pessoa de muitas personalidades.
Um monte de mim em apenas um eu.
Rateio de almas.
Um pouco pra mim. Outro tanto de mim pra você.
(Ou a quem interessar possa...)

Um tanto de médico. Boa parte de mostro.
Cheia de imperfeições que fazem de mim, única.
Carrego nas costas erros eternos.
Eu sou um erro da natureza. Uma falha pura.
Uma anedota divina.
Afinal, meus acertos não falam de mim.
O que eu erro, diz muito mais a meu respeito.


E nesta empreitada de descoberta...
Para tentar saber um pouco quem (ou o que) sou:
Escrevo.

Defino assim: Sui generis
Rosto angular
Sorriso largo, eu e meus olhos.

Rateio de almas, metade/metade.

Milla Borges

28 comentários:

  1. Gostei muito das suas palavras...na verdade amei o seu blog.Gosto muito de pessoas que ainda conseguem viver a vida, sem perder a arte de sonhar. Parabens!

    ResponderExcluir
  2. Linda!!!
    Morrendo de saudade desses teu textos arrebatadores que ganham velocidade no caminho , e que até faz a respiração suspender em alguns momentos. Ser único, é natural, se reconhecer como tal é o importante. Muita gente se torna igual, e se mistura a multidão por esquecerem de buscar, sempre, todas as perguntas mesmo sem respostas. Adoro você e não tenho dúvida que não há outra igual.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ser único, seu blog é assim, ele é único, jamais vi alguém q escreva tão bem como vc
    novamente, está de parabéns!
    bjus!

    ResponderExcluir
  4. a pausa emerge na pergunta que muitos perseguem como velo de outro e de que outros se escondem como de um ciclope: "quantas de mim há no mundo?" e caem vírgulas, pontos, reticências e demais sinais da pontuação escrita da vida...
    um abraço!

    ResponderExcluir
  5. cuidado pra esse seu alimentar de si mesma não acabar sendo um ato contrário: ruim. ficar imersa sempre no mesmo pode consistir em persistir eternamente com determinado erro achando que é algo certo

    :)

    ps.: gostei da foto do inicio hehehe

    ResponderExcluir
  6. Belissimo texto! Pleno de fortes emoções...

    Um beijo... de saudade!
    AL

    ResponderExcluir
  7. Somos as metades das nossas metades.]
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  8. Tantas em uma. Tantas contradições, tantas almas.
    Mas pra mim é a mais leve brisa que me toca com tanta suavidade que penetra em minh'alma!

    A minha metade, a minha linda, minha Princesa!!!

    O complemento da minha alma!

    Lindo o texto! Cada vez mais madura, mais complexa e melhor de ler.

    Eu amo todas as suas metades! Imensamente!

    Beijoooos

    ResponderExcluir
  9. Obrigado pela visita...

    Já sigo no twitter que vc deixou lá

    Beijinhoss de boa Noite

    >>Dani

    ResponderExcluir
  10. Texto inquietante. Movimento é a palavra.

    JC

    ResponderExcluir
  11. .

    . entro e encontro um conto . a ser canto de en.canto . rosto de agosto onde me a.setembro .

    .

    . um bom.fim.de.semana .

    .

    . um beijo meu .

    .

    ResponderExcluir
  12. Obrigada pela visita. Ainda bem que gostou... Espero vê-la por lá mais vezes ;)

    Adorei este texto e outros que já li por aqui (porém não há tempo nem imaginação para comentar todos eles) Incrível como se falando de tudo se dirige a um só tema...Parabéns pelo texto bem conseguido!


    Deste belo texto destaco os seguintes versos com os quais me identifico por assim dizer:

    "O meu jeito, o meu sorriso, as minhas palavras...
    Podem até imitar... Porém nunca vão se igualar.
    Uns dizem: É diferente!
    Outros bradam: É louca!
    Sou tudo isso, de maneira peculiar.
    Sou nada disso, de maneira previsível."

    "(Se for pra gritar, eu grito.)
    (Se for pra chorar, eu choro.)
    (Na hora de silenciar, me calo.)"

    ResponderExcluir
  13. Ah Milla, esta inconstância da alma, esta energia vital. Juventude, força. Aproveite e viva intensamente e escreva, escreva muito em todas as fases da sua vida.

    Adorei !
    Um beijo grande,
    Malu

    ResponderExcluir
  14. Texto grande rsrs, mas legal.
    Bom, pelo menos, vc já sabe uma definição para vc mesma. Eu ainda busco a minha e talvez minha verdade seja minha mentira, sei lá.

    Adorei.

    Prazer sempre vim em teu blog.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. ' Milla minha lindxaaa^^
    Ain q saudades de te ler, matei um pouquinho agora, rss^^
    Q texto mais perfeito né?!
    Vc é única mesmo, por isso q sou sua fão número 1
    Q Deus te proteja sempree\\*
    bjoo's no ♥

    Josy*

    ResponderExcluir
  16. Uau... quase perdi o fôlego aqui...


    Menina fabricante de sonhos... um texto pra saber um pouquinho mais de ti...

    Bjssssssssss


    Dany

    ResponderExcluir
  17. Assim, me toma o ar...

    Contornos catárticos, tecendo a inquietude humana.

    Apurado!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Emoções fortes por aqui...
    Beijo d'anjo

    ResponderExcluir
  19. Milla, o seu poema é impressionante. Achei-o apenas excelente.
    Gostava de o ouvir dito por alguém que o soubesse fazer. Seria ainda melhor.
    Parabéns por tanta qualidade poética.
    Beijos, querida amiga.

    ResponderExcluir
  20. Como pode-se achar-se tão plenamente nas palavras de outrem?
    Não sei como, mas é tão bom sentir-me acarinhada, compreendida e revelada nas divagações poéticas de outra alma. Isso é mágico. Isso é realmente incrível.

    Adoro suas linhas. Te leio e fico absorvendo o que li. Bebendo tua poesia como se fosse vinho. A sensação é incrível, acredite.

    Um abraço, poetisa.

    ResponderExcluir
  21. Oi querida... Adorei seu post... adorei voltar aqui após algum tempo sem aparecer... me desculpa por ultimamente não estar a dar muita atenção aqui ao seu cantinho mas infelizmente a vida não me permite...

    Beijos e muitas saudades de te ler...

    Saudações poéticas

    ResponderExcluir
  22. realmente...uma forma cativante de escrever.Há coisas que me identifico.Dá para ficar a pensar!

    Beijinho doce:)

    ResponderExcluir
  23. Caramba, qnd tento escrever sobre mim m sinto como vc... Não sou x nem y...x qnd preciso ser x e y qnd preciso ser y... Não duas caras, mas alguém q sabe separar momentos e atitudes... Personalidade! Me aceitem se quiser... mas é mto difícil escrever sobre nós mesmos e vc foi brilhante!

    Ah e num precisa brigar mais não...blog att... passa lá!

    bjão

    ResponderExcluir
  24. Olá boa tarde, vim conhecer tuas flores, feliz primavera.abraço.
    O deserto e o lugar solitário se alegrarão disto; e o ermo exultará e florescerá como a rosa.
    Isaías 35:1

    Sacudirá as suas uvas verdes, como as da vide, e deixará cair a sua flor como a oliveira,
    Jó 15:33


    Os teus renovos são um pomar de romãs, com frutos excelentes, o cipreste com o nardo.
    Cânticos 4:13

    ResponderExcluir
  25. Fazia tempo que eu não lia suas palavras!
    Lembrei do quão bem você escreve e passa tanto sentimento através de cada frase...

    Parabénsss!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Nem sei o que dizer... tantas palavras... Sinto nelas a tua força, o teu poder! São lindas, loucas, fortes. Fico feliz e ao mesmo tempo encantada com o teu progresso no trato com elas. Busca mais fundo nesse baú das tuas idéias para continuar com o encantamento. Adoooooooooro!!!!
    Mil beijos.
    Tia.

    ResponderExcluir

Deixe aqui um pedacinho do seu sonho...
Obrigada!