segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Frívola


Sacudi o pó de todas as palavras que estavam guardadas e envelhecidas...
As desembrulhei cuidadosamente, para que elas não se quebrassem, não se partissem...
O trato com as palavras sempre foi um tanto dificultoso para mim. Não sei lidar com a fragilidade alheia. Eu, frívola (De um modo peculiar), -totalmente contraditória, - não sou muito boa com as palavras.
E já faz tanto tempo antigo...
Mas o fato é que mesmo antigas, elas são minhas. Essas palavras são minhas...
Manusear palavras velhas é um trabalho que requer muito cuidado, muito carinho e entendimento e mesmo a minha erudição, não me permite compreender totalmente a vastidão dos significados que essas palavras arrastam na minha face, para que meus olhos as leiam, para que meus lábios as balbuciem.
Entrelaçadas estamos, eu e as letras... A dependência é física. A insuficiência é psicológica.
Há ainda, uma poeira branca e fina sobre cada palavra do passado.
Às vezes, tenho a impressão que sou eu quem pertence a elas e não elas a mim... De certo modo elas me controlam tanto, têm tanta influência sobre minhas decisões, meus caminhos, meus “eus”. Meus dias, meus ontens, meus amanhãs... Todos dominados por palavras vivas, por palavras de um tempo que não havia acentos possíveis, porque tudo era tão linear.
Eram somente palavras... SÓ palavras...
Antigamente eu não tinha consciência de sua importância...
Com o passar do tempo, entre tantos escritos, entre tantos timbres, percebi que havia nelas certo poder. Nas palavras havia um mundo novo e isso era fascinante para minha mente nova. Palavras velhas repletas de força! Um poder. Dor e alegria, o poder vinha de suas entonações.
Em suas sílabas tônicas. Suas verdades átonas... Tudo causava em mim grandes hiatos...
Eu as queria o tempo todo comigo, as palavras.
A verdade então é que fomos sempre muito amigas. Eu dona. Elas propriedades.
Aprendi a colocá-las, a direcioná-las. Aprendi a gostar de todas as palavras... Todas elas: belas, sujas, tristes, sólidas. Eram minhas e eram para mim.
Manipuladas por mim. Usadas por mim. E assim, havia felicidade em minha vida.
Havia sim.
Deu-se em tempos turvos um cansaço. Um desapego momentâneo. Passou...
Na hora do silêncio, sempre houve um respeito profundo. Tanto que as palavras davam logo um jeito de desaparecer, para que então o silencio se instalasse.
Nunca houve rixa entre palavras e silêncios...
Cada um sabia de sua importância para mim.
Cada um deles tinha o seu momento, a sua hora, o seu lugar na minha vida.
Em geral, o silêncio chegava manso e branco. Úmido e salgado. Um silêncio de lágrimas.
Tenho uma relação bonita com o meu silêncio... Por vezes nos estranhamos, mas entre nossas pausas, há um amor doce.
Hoje, resolvi então embrulhar o silêncio e guardá-lo no lugar das palavras...
Hoje eu quero é ficar com minhas palavras velhas, me perder com elas...
Quero tocá-las com a alma. Quero as palavras usadas.
Quero envolvê-las com pensamentos indefiníveis, quero a coerência de suas entrelinhas...
Quero jogá-las para o alto e dar-lhes asas, como sempre fiz...
E por ter asas é que de tempos em tempos novos, elas voam para longe... Fogem de mim...
E quando as recupero, sinto a necessidade de guardá-las, para que nunca mais me abandonem...
Por este motivo é que as páginas de minha história estarão sempre incompletas...
Por este simples motivos, sempre haverá pó em minhas palavras velhas...

Milla Borges

18 comentários:

  1. Palavras para comentar as suas palavras que acabou de me tocar, eu sei que é impossível copiar, este seu jeito de se expressar, pois as palavras desta fabrica, que faz tanta gente sonhar, são palavras que não são escritas para decifrar, e simplesmente palavras que tem muito que se doar...


    Sou seu fã...

    ResponderExcluir
  2. Nada melhor do que falar das palavras, com palavras tão belas e sinceras.
    Sua fábrica, realmente nos faz sonhar, nos faz voar na imaginação.
    Vc está de parabéns, como o amigo aí em cima, tbm sou seu fã!

    ResponderExcluir
  3. E dizes tu que não és boa a trabalhar as palavras!!! Olha se fosses??'
    adoro te ler menina
    beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Desde que comecei a conversar com você, percebi que as palavras tem um papel fundamental na sua vida... e parece que elas foram feitas para te servir.
    É lindo o jeito que vc as trata e como elas se adaptam ao teu jeito de colocá-las. Elas se combinam, se transformam e no fim, dão significado aos mais lindos pensamentos.

    E sabe pq as palavras gostam tanto de ser manipuladas por vc?

    Pq você é sincera com elas... usa-as com carinho e respeito...

    Já disse que eu tenho um orgulho imenso de vc?
    Ainda bem que você postou esse texto hoje.. pq hoje eu acordei com uma vontade de te ler...


    Eu te amo muito, minha Princesa!

    Beijooooos

    ResponderExcluir
  5. Que texto liindo!!

    Nesses dias, eu escrevi (para mim mesma) sobre as palavras e meus personagens, o que eles significam para mim e me li em seu texto coisas que escrevi, claro que de um jeito diferente. Mas, foi gratificante (como sempre) vim no teu blog e ler esse liindo texto.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Milla, o que aconteceu com o Alienatio Mentis?

    ResponderExcluir
  7. Oi querida!!!

    tenho andado um pouco afastado da blogosesfera, mas nunca esqueci a sua fabrica, espero que não tenhas ficado "chateada" com meu desaparecimento e a minha falta da minha visita aquui nesta fabrica que nos faz sonhar...

    Já sentia falta de te ler..

    Saudações poéticas...

    ResponderExcluir
  8. E você, fabricante, me faz uma dessas! De tudo o que você diz nessa coisa linda, eu só inverto a relação entre o que sou e a palavra (o que inverte completamente o sentido do texto). Elas donas, eu propriedade! Porque as danadas me carregam pra onde querem com sua música e eu não posso resistir. De certa forma, essa tua maneira de manipular (risca isso!), utilizar as palavras é já ir-se por dentro delas como um cavalo imponente levando a carruagem pra onde bem entende!

    Estava com saudades desse lugar!

    ResponderExcluir
  9. Eu li o texto anteees... Lero, lerooo... rsrs
    Mas não vou me cansar de dizer o quanto ficou bom e que AMEI a quebra do jejum!
    Estava sentindo falta de te ler!
    Beijos, Millaa

    ResponderExcluir
  10. Desejo a você um Natal feliz e um Ano Novo,cheio de oportunidades.Obrigada por ter compartilhado,sua amizade comigo em 2010.
    Boas energias,os 365 dias de 2011
    Mari

    ResponderExcluir
  11. OI minha querida!!!
    Tem andado desaparecida, não mais tenho viasto seus sonhos lá no meu/ nosso Cantinho...

    Desejo para você um feliz e Santo NAtal...

    Saudações poéticas

    ResponderExcluir
  12. E o que mais um homem pode ter de bom, Fabricante?!

    Desejo a você tudo, mas TUDO o que você mesma desejar a si mesma, sem restrições e impossibilidades factuais e lógicas! Que você se transforme num bicho-preguiça, se quiser! Ou numa poça de água fria ou numa borboleta que nunca vai descobrir direito o que era ser lagarta! Qualquer coisa que você desejar ser é o que desejo que realize em sua vida no próximo ano (ou amanhã de manhã cedinho)!

    Beijos!

    Rodrigo Teixeira de Siqueira

    ResponderExcluir
  13. Milla :
    mta admiração .. adoro seu blog -'
    rs'

    ResponderExcluir
  14. *
    Amiga
    ,
    que as vagas de 2011,
    te tragam um mar de saúde e
    marés de coisas boas (se possível)
    ,
    conchinhas de amizade,
    ,
    *

    ResponderExcluir
  15. Mila, há imenso tempo que não te visitava, mas não podia deixar acabar o ano sem te desejar um excelente 2011. Para ti e para os que mais amas.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Poxa, nem tinha comentado antes pq costumo entrar meio rápido, mas te dizer, teu blog é lindo e gostei muito de lê-lo.
    Adoro as fábricas de sonhos, pq vivo neles...

    Feliz ano novo, que venha repleto de realizações pra todos!!!


    Bjs grandes

    Vanessa

    ResponderExcluir
  17. A mensagem da amiga toca profundamente, reabre baús da memória guardados há tempos.

    Além disso demonstra os valores que esses dois importantes temas possuem em nossa vida: o que brota de nossas bocas e a reflexão que surge do nosso silêncio!

    Abraços renovados!

    ResponderExcluir
  18. Manipuladora! Manipuladora sim, de palavras! Palavras tem vida própria, mas voce consegue colocá-las em seu devido lugar. Tece com maestria lindas tramas que só faz nos encantar e tem a ousadia de dizer que não boa de palavras... Tsc, tsc, ardilosa sim é o que voce é,rsrsrs... Adorei o texto.
    Beijos.
    Tia.

    ResponderExcluir

Deixe aqui um pedacinho do seu sonho...
Obrigada!