segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

, mas a vida é boa...

Olá sonhadores!!!

Quanto tempo!

Sumi por uns tempos para organizar a vida e colocar a cabeça em ordem...
Sabe... Muitas mudanças e algumas novidades!

Uma das novidades é que estou lançando o livro "Fabricante de Sonhos", totalmente inspirado neste blog!
Desde já agradeço a todos vocês por tudo!!!
A última correção ortográfica já foi feita e agora só faltam mínimos detalhes para que eu possa divulgá-lo. Em breve postarei aqui mais informações sobre o livro. O fato de ter conseguido escrever esse livro me deixa muito feliz! É uma realização pessoal e espero que este seja apenas o começo...

Quanto as mudanças, as novidades são outras... Estou passando por uma fase de redescoberta de mim mesma, quase um renascimento e tendo muitas questões para serem resolvidas e esclarecidas ou pelo menos pensadas... Não tenho postado aqui no blog, mas tenho escrito muito... Minha alma fala e eu escrevo por necessidade! Porém, os textos que tenho escritos não cabem nesta fábrica onde tudo é feito a base de sonhos e poesias... Esta minha nova fase é o misto do caos de quem possui conflitos e da alegria de quem descobre uma nova essência, uma nova filosofia de vida... Então, estou criando um novo blog chamado: Alianatio Mentis, que ficará hospedado no meu site. (Ah! Esta é outra novidade! Agora vou ter um site!).
Não abandonarei a fábrica, isso nunca! Muito menos os blogs amigos... Estarei sempre por aqui e com vocês!

Agora, para matar a saudade dos versos, uma poesia que reflete um pouco este meu novo momento, que já começa com uma pausa e é totalmente reticente...


, mas a vida é boa...

Tudo poderia ser diferente...
Realidade menos ilusória.
Para construir uma nova história
Não precisaria ser muito inteligente
Ou falsificar uma identidade provisória
Para se sentir mais gente.
Mas o caminho a ser escolhido
Sempre foi o mais escuro
E o mais difícil a ser seguido
Mais perigoso e divertido
O mais longo e o mais duro...
Pra quem já está perdido
Gozar a vida é só o que resta,
Fingir que vive e a vida é boa
E sair por aí a toa
Apreciando o que não presta!
Sentir-se como pássaro que voa,
Como se tudo fosse festa!
E conservando o mesmo jeito,
Pois se mudar, não mais existe.
A tudo aquilo que resiste
A tentação de ser perfeito,
E assim no erro insiste
Aprisionando a dor no peito.
Mas sem culpa avançam os dias...
Sem direito ao sofrimento
Só os prazeres do momento,
Multiplicando as alegrias
Espalhando pelo vento
Um bom disfarce de agonias...

Milla Borges