sábado, 6 de março de 2010

Provocação



Brincando com as palavras, com os conceitos... Sem misturar a palavra e o sentido.
A verdade é que sempre conto uma história, por trás de uma outra história.

Texto sobre uma experiência...

"No lugar do verbo, eu fiz silêncio.
Não uni as orações com advérbios.
Excluí as vírgulas e fui apenas reticente...
Uma provocação dialética.
Para os olhos distraídos e para as mentes cansadas, eram apenas e tão somente palavras...
E, sim... Usei de ironia...
Descrevi o “nada”, o “sem importância” da maneira mais bonita.
E houve o aplauso.
Mas, que fique claro, eu nada quis dizer.
Eram só palavras...
Organizadas e belas.
E olha só que coisa interessante:
Para quem viu além das letras, a comunicação se estabeleceu.
Há aqueles que leem com os olhos, mas há os que leem com a alma.
Para estes, surgiram vírgulas, pontos, pausas e advérbios e...
E assim nas entrelinhas contei uma história.
Quem imaginou, criou por si e me deu os créditos.
Mas na verdade a história é sempre do ouvinte ou do leitor...
Então entendi que a palavra não dá conta do intelecto...

Quanta ironia!!!

Foi só uma provocação dialética."

Milla Borges.


www.twitter.com/millaborges