quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Em mim...


Supera-se a palavra dita no sussurro, trazida pelo vento.
Sente-se muito mais as palavras escondidas nos desejos do silêncio.
Passa o sentimento pelo corpo, me atravessa... Eu suspiro, mas não quero.
Dispenso o que se safa do suplício, do deserto, e não impeço...
A passagem do não-dito, se refaz em algum verso quase incerto.
E no seio, o que se passa e o que fica... Esse meu vazio eterno.
Sensações,
Emoções,
Ficções.
Que não me venha se for pouco. Eu peço.
Que eu não quero nada além do que mereço.
Que do veneno eu desconheço e já o temo.
Que não há nada mais triste que amor pequeno...

 
Milla Borges